terça-feira, 10 de maio de 2016

Saile ou O parto em São Bernardo

Naquela tarde não tinha chuva nem vento que adiantasse o parto, mas o bebê estava quieto demais na barriga de Francisquinha, era o quinto filho indesejado, parecia uma lenda africana em São Bernardo do Campo. Ela esperava sua mãe e sua tesoura como nos outros partos...
A jovem mãe podia ter abortado o filho, mas era muito beata para isso, só Deus pode tirar a vida. Ela tinha herdado da mãe: a arte cultivar as ervas; o poder de benzer bichos, plantações e pessoas; as rezas que fecham os corpos e abrem os caminhos...
Ela casou criança sem querer e sem pestanejar para livrar-se da maldição de ver espíritos, transportar objetos com a força do pensamento, ter revelações nos sonhos, materializar coisas com ovos, pairar no ar dormindo, bilocação, dejavu, premonição, viagem astral... Casamento humilde que o Criador não aceitou para transmitir a herança paranormal.
Dona Severa estava atrasada, pois Sergipe era longe para São Paulo, mesmo de jipe.
A bolsa rompeu e Francisquinha começou a gritar:
- Mais uns minutos, meu filho, você não pode nascer sem minha mãe... Mãe onde você está?
Será que Deus abandonou a jovem mãe? Será que tudo era imaginação? Será que o tempo parou? Era o fim ou um novo principio?
A criança nasceu com o pescoço enrolado com o cordão umbilical, roxo, roxinho, sem ar, sem vida, nas mãos e no choque de sua mãe.
Dona Severa surgiu em paz e cortou o cordão, não disse nada e colocou o neto na pedra da pia e disse:
- E do que vamos cuidar agora...
Surgiu uma borboleta vermelha e pousou sobre o bebê, bateu suas asas, a criança tossiu e chorou, a borboleta voo e o tempo voltou...

Jorge Barboza

Escritor e Colunista Social

Nenhum comentário:

Postar um comentário